Natal…A Festa do Amor (Uma paráfrase de I Corintios 13)

0 Flares Twitter 0 Facebook 0 Filament.io 0 Flares ×

Ainda que eu contasse a história do Natal em todas as línguas dos homens e dos anjos, e ainda que cantasse todos os hinos natalinos, acompanhado por maviosos coros e pelas mais harmoniosas orquestras, e não tivesse amor, seria como o metal que soa e como o símbolo que retine.
Ainda que tivesse o dom da palavra, e fizesse os mais belos discursos, e conhecesse todos os mistérios que envolvem o milagre do Natal, e conhecesse toda a ciência capaz de explicar o sobrenatural, e possuísse toda a fé, mas não tivesse amor, de nada adiantaria.
Ainda que gastasse todo o meu dinheiro para comprar e distribuir presentes caros com os amigos e parentes, bem como gastasse grande fortuna na realização de festas de Natal, ofertando grandes dádivas aos pobres, e não tivesse amor, tudo isso de nada valeria.
Ainda que fizesse grandes sacrifícios pessoais, para ajudar a todos os carentes e necessitados neste Natal, e não tivesse amor, nada disso me aproveitaria.
Somente com Amor o Natal tem significado, tem sentido, tem razão de ser. Principalmente porque o Natal é a festa em que comemoramos o maior dos Amores. O imensurável Amor de Deus por nós.
Quando existe amor no Natal, então descobrimos que, o amor de Deus em nós, é sofredor, é benigno, o amor não é invejoso, não se vangloria, não suspeita mal, não se ensoberbece, não se irrita, não age de forma arrogante.
O amor que caracteriza o Natal é paciente, benigno, misericordioso, Não se porta inconvenientemente, não busca os seus próprios interesses, não permanece indiferente diante das injustiças, mas pratica e se regozija com a justiça e com a verdade.
O amor do Natal nos ensina a tudo sofrer, tudo crer, tudo esperar e a tudo suportar.
O amor do Natal nos ensina que não é limitado a um dia, ou a uma época. Mas é o amor que jamais acaba. O amor do Natal é o amor misericordioso e eterno que vem de Deus, revelado na pessoa do seu Filho Unigênito – JESUS CRISTO.
Ainda que existam pinheirinhos e árvores de Natal, elas murcharão e se acabarão. Ainda que existam os mais belos e criativos enfeites de Natal, eles envelhecerão e se quebrarão.
Porque todas estas coisas são apenas os símbolos terrenos do natal-folclore, do natal-comércio. Símbolos do pseudo natal.
Porém, diante do verdadeiro Natal, do Natal de Cristo, tudo isso fica aniquilado, tudo isso passará.
Quando eu era criança, falava como criança, sentia como criança, pensava como criança, compreendia o Natal como criança… Luzes, doces, chocolates, árvores enfeitadas, festas, presentes e mais presentes…
Mas eu cresci, amadureci, fiquei consciente da verdade, e deixei as criancices, as meninices, e as ideias falsas e egoísticas do Natal.
Passei a entender o verdadeiro sentido e significado do Natal, da comemoração do nascimento de Jesus.
Natal comemora o maior dos milagres: “O verbo se fez carne. Deus, através do Seu Filho Jesus, se fez homem, e habitou entre nós, cheio de graça e de verdade; e vimos a sua glória, como a glória do Unigênito do Pai” (João 1:14).
Infelizmente, grande parte da humanidade vê, ainda hoje, apenas o aspecto comercial e material do Natal… Festas, presentes, doces, enfeites, compras, passeios, viagens etc.
É imprescindível, porém, que todos passem a compreender toda a grandeza e magnitude do sentido e do significado do Natal.

É chegada a hora, e agora é o tempo em que todos devem entender que Natal é a festa da comemoração do maior dos milagres:
O Criador se fez criatura… Jesus Nasceu!
Natal é Fé…
Natal é Esperança…
Natal é Amor…
Mas, o mais importante é que Natal é a festa do Amor… Do Amor de Deus por nós, que deu o seu Filho Unigênito para que todo aquele que nele crê, não pereça, mas tenha a Vida Eterna (João 3:16).

Adicionar aos favoritos o Link permanente.

Sobre Pr. Brito

Pastor Presidente da IEBV.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *