Prezados Policiais Militares: O que está acontecendo?

0 Flares Twitter 0 Facebook 0 Filament.io 0 Flares ×

Quero iniciar esta minha reflexão, fazendo algumas declarações que julgo serem importantes para este momento grave, delicado, difícil e conturbado que estamos atravessando.

A história da Polícia Militar em nosso Estado, é uma história bonita e honrosa. E espero que continue sendo. Respeito, admiração, credibilidade são conquistas importantíssimas que não podemos perder. Devemos continuar cultivando-as e preservando-as.

A nossa PM é uma instituição preciosíssima e indispensável para nosso povo, nossa gente, nossa sociedade.  

Pessoalmente tenho os policiais militares em alta estima e consideração. Muitos dos meus bons amigos são policiais. Gente de primeira qualidade, bons companheiros e respeitáveis.

Na qualidade de Pastor Batista, pessoalmente e como Igreja, tenho dado apoio a trabalhos relevantes que a nossa PM promove, como o PROERD e outros.

Creio que as causas pelas quais a PM está lutando são lícitas, importantes, relevantes e justas.

Sei que os Policiais precisam e merecem:

Salários melhores e mais condizentes.

Equipamentos de melhor qualidade (Coletes; Armas etc).

Plano de Saúde e assistência hospitalar diferenciados.

Viaturas adequadas para as missões que realizam… etc.

Estas e algumas outras coisas podem ser revindicadas corretamente e não há nada de reprovável e ilegal. É um direito do Policial e um dever do Estado atender dentro dos parâmetros da legalidade e da justiça.

Acho até mesmo que é dever do Policial zelar pelas manutenções, melhorias e ampliações dos quartéis, utilizando todos os meios possíveis e legais. Consciente de que o bem maior e mais precioso é o Policial.

Não existe a menor dúvida no que se refere a importância e a indispensabilidade dos relevantes trabalhos prestados pela PM a sociedade. Vocês são especialíssimos. A presença e a atuação de vocês são fatores que contribuem eficazmente para a segurança, tranquilidade e bem estar do nosso povo, da nossa cidade e do nosso Espírito Santo.

Permitam-me, porém, dizer que estou decepcionado e triste pelas formas que vocês estão utilizando para fazer suas revindicações. É bom lembrar que é necessário fazer o certo da forma certa.

Os senhores da PM são bastante esclarecidos e sabem muito bem que não é permitido pela Constituição do Brasil, que Policiais façam greve.

Vejam as nefastas consequências desta greve travestida de “paralização”, aprovada e apoiada pelos senhores:

Até o presente momento ela só trouxe prejuízos materiais, morais, sociais para nosso povo e tem contribuído para que dezenas e dezenas de vidas humanas continuem sendo brutalmente ceifadas.

O caos tomou conta. A anarquia passou a reinar. A criminalidade cresceu de forma tremenda e a Cidade foi abandonada pelos senhores nas mãos da bandidagem.

A desordem está generalizada. O pavor aterroriza a população indefesa. Os bandidos estão nas ruas… E os senhores assistindo tudo (através da mídia), de dentro dos seus quartéis…

Mais de 300 instalações comerciais (lojas, super-mecados, postos de gasolina) foram arrombadas, saqueadas, depredadas!).

Mais de 100 (cem) homicídios foram praticados só na Grande Vitória entre a madrugada de Sábado (dia 04/02/17 a 08/02/17) e a noite de quarta-feira.

O poder judiciário (Juízes e Promotores) emitindo as suas sentenças e ordens que são ignoradas e totalmente desconsideradas pelos senhores e seus familiares. Sentenças, ordens e determinações que não são obedecidas e se tornam completamente inócuas.

O que o novo Comandante da PM publicamente declarou (inclusive pela televisão), para toda a população foi que: na quarta-feira os seus comandados e colegas estariam nas ruas, e não mais nos quartéis.

Disse enfaticamente que suas ordens e determinações seriam acatadas e obedecidas. Mas o que ficou evidente e deixou transparecer é que não existe mais acato a autoridade entre os senhores. Por que a ordem ou determinação não foi cumprida? Onde está o respeito e o acato a tão conhecida hierarquia militar?

Os Policiais Militares estão aquartelados, trancafiados nos quartéis pelas suas próprias esposas e familiares, sem o direito de ir e vir para exercerem as suas funções e cumprirem os seus deveres de protetores da sociedade e guardiões da ordem social.

Dizem alguns mais brincalhões que agora aqui no Espírito Santo quando você liga para o Telefone 190 a música que toca é:

“Não vou não, Quero não, Posso não,

MINHA MULHER NÃO DEIXA NÃO”.

É lamentável ver a nossa querida Polícia Militar “escondida atrás das saias” para permanecer dentro dos quartéis e fazer as suas revindicações.

É muito triste e humilhante expor a própria família, usando-a como “escudo humano” só para não assumir que estão fazendo uma “greve”. Agindo ilegalmente.

Colocar a família ou apoiar que ela seja usada como “escudo humano” é uma tentativa ridícula de mascarar uma greve, gerando cenas grotescas onde militares formalmente enfileirados, numa cena teatral vexatória (com péssimos atores) vem até ao portão de saída do quartel perguntar se seus familiares permitem que eles saiam do quartel para cumprir seus deveres e missões. E se rendem diante de um “não das mulheres”.

Mas não posso deixar de destacar que nessa greve tivemos dois pontos positivos:

  1. Todos estamos conscientes de que nossos policiais precisam de melhores salários e equipamentos, E o governo precisa dar uma atenção especial para atender as suas justas revindicações dentro das formalidades legais..
  2. A Polícia Militar faz um trabalho precioso e indispensável para a sociedade. Sua atuação é imprescindível, e  por tudo isto deve ser respeitada e valorizada.

CONCLUINDO, APELO AOS PRECIOSOS POLICIAIS MILITARES: VOLTEM AO TRABALHO E LEMBREM-SE:

“Aquele pois, que sabe fazer o bem e não o faz, comete pecado” (Tiago 4:17).

Adicionar aos favoritos o Link permanente.

Sobre Pr. Brito

Pastor Presidente da IEBV.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *